Fonsatti Advogados Associados - 26/03/2020

OS IMPACTOS DO COVID-19 NA CLASSE EMPRESARIAL

Vivemos um momento único no mundo. Jamais se presenciou uma crise tão avassaladora e de opiniões tão divergentes.
Não sabemos mais se a quarentena é certa ou errada. Se as empresas devem voltar imediatamente ou esperar por um determinado tempo.
O que assistimos hoje parece ser a junção de duas grandes crises ocorridas na história da humanidade, quais sejam, a gripe espanhola, em 1918, e à crise de 1929, que trouxe grande depressão econômica. De 1918 a 1920, mais de 500 milhões de pessoas foram infectadas pela gripe espanhol. Há quem diga que pode ter chegado a 100 milhões o número de mortos. Já a crise de 1929, conhecida como a Grande Depressão, causada pela queda de vendas das grandes empresas norte americanas ocasionou a desvalorização de suas ações na bolsa e foi o pior e o mais longo período de recessão econômica do sistema capitalista.
Em momentos como esses de crises com impacto global, não resta outra alternativa, senão aguçar a capacidade e a criatividade humana, para reverter o quadro e seguir em diante nossos negócios.
A recuperação é lenta. Demanda esforços de todos, entre estes do próprio Poder Público, a exemplo do New Deal, nome conferido a uma série de medidas adotadas nos estados unidos objetivando recuperar a economia, auxiliando os prejudicados com a recessão.
Por outro lado, aprendemos muito com esses indesejados momentos. Um dos exemplos, simples mas representativo, é a constatação de que não faz mais sentido algum grandes e caros deslocamentos para a realização reuniões. Aplicativos gratuitos de videoconferência resolvem muito bem essa demanda.
Em suma, para que possamos suplantar esse momento, nos será exigido muita inteligência, capacidade de inovação, mudanças de posturas, com uma boa pitada de bom senso, honestidade e discussões sem paixões políticas, posto que são milhares de informações nos passadas a cada minuto, de diferentes grupos sociais, com interesses ideológicos e culturais antagônicos, dificultando a necessária e urgente tomada de decisão.
Portanto, não se visualiza outro caminho, senão perceber que é hora de unir esforços, pensar no coletivo e como diz o poeta, “compreender a marcha e ir tocando enfrente”.

NOTÍCIAS RELACIONADAS